Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä

Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
Visto-me com as cores do arco-íris, e desenho-te um beijo no poema.

Febre


Encosto a febre
às lágrimas da chuva na janela
agora que a sede é mais forte
e os teus lábios se ausentaram

Não quero ninguém por perto
prefiro a impotência de não ser chuva
de não ser pássaro
em direcção àquelas nuvens

Neste semear de gemidos roucos
pressinto o mar que não vejo
a afagar as escamas do meu corpo

A mão não procura a espuma
nem anoiteço

Espero-te para contigo navegar
depois da chuva
depois da febre

*
© efeneto

*

16 comentários:

espelhodesombras disse...

Amigo Efeneto, vc pode ser impotente como chuva ou pássaro. Mas tem a mão que procura a excência dos versos, mesmo quando anoiteces.
Muito bom, muito bom, mesmo.
Grande abraço.
João Costa Filho

Oliver Pickwick disse...

Obrigado pelo comunicado do primeiro aniversário do Almas Poéticas, que deixou lá no condado.
Como trata-se de um grupo de poetas, sei da diversidade e da individualidade dos versos, do coração, e da intensidade do grito de cada um. No entanto, desejo a melhor sintonia possível relativa aos sentimentos mais essenciais e verdadeiros, os quais usualmente impregnam a produção deste nobre ofício de ser poeta.
Parabéns ao site.

Veritas ad eos qui operantur illam revertetur.

Abraços!

ana poeta. disse...

F.Neto.


Esses versos traduzem o que há em tua alma: AMOR!Parabéns, lindo c sempre.

Beijos Poéticos.
;**

GarçaReal disse...

Uma espera, um procurar, um pedido surdo na busca de algo que por vezes habita nas lágrimas da chuva de uma nuvem que não existe ,de uma noite que não acontece...
A beleza presente

Um grito chorado

Bjgrande do lago e daqui

rosa dourada/ondina azul disse...

Contemplar a chuva a cair,
através dos vidros da janela,
a inspiração aparece
e o poeta apesar de febril,
compõe o belo poema :)


Beijinho,

Marrie disse...

Não tenho palavras p/comentar-te hoje....
Deixo-te, então, apenas um leve beijo de amizade e admiração.......

Helena disse...

Lindo como sempre....

Ao que já estamos habituados quando por aqui passamos...


Beijinho :)

São disse...

Que essa navegação depois da chuva e da febre o leve a bom porto.
Abraços.

Suave Toque disse...

E a febre não passa...
A ausência no faz sentir saudades.
Saudades de um amor,
Saudades dos amigos,
Saudades de estar no mundo das palavras que amo,
Saudades de estar aqui com você divindo este mundo maravilhoso.
Vim agradecer a visita em Heroi e convidar-te a voltar sempre.

Beijos de carinho

Elcia Belluci

MEU DOCE AMOR disse...

A chuva faz das suas e vem a febre.Moléstia dos tempos.O mar descansa...

Bonito o poema como sempre.



Um beijinho doce

Secreta disse...

Esperar que chegue a bonança ...
Beijito.

Paula Raposo disse...

Gosto muito deste teu poema febril...Beijos.

LuzdeLua disse...

Espero-te para contigo navegar
depois da chuva

Bom é poder sentir a chuva por vezes escorrer em nós.
Belo como sempre amigo.
Passando, deixo-te um abraço e bons desejos já para o findi semana.
Bjs

Carla disse...

febre de amor
febre de paixão
febre que nos encanta
lindo
bjs

Angel of Light disse...

Mais um ilustre grito se soltou do teu peito! Então, acompanhado pela magnífica Mariza, é fabuloso. Obrigada por este lindos momentos.

Beijinhos cheios de Amor, Paz e Luz!

p.s:E é favor tratar-me pela 2º pessoa do singular. A "sua" ou "seu" faz-me crescer mais um cabelo branco...não queiras contribuir para isso, hihihi!

teetee disse...

Gostei muito de por aqui passar...

... bonitas as palavras de dor e de amor...

Teetee

Seguidores

Creative Commons License Esta obraestá licenciada sob uma Licença Creative Commons.