Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä

Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
Visto-me com as cores do arco-íris, e desenho-te um beijo no poema.


Por detrás das árvores do Parque o sol do entardecer é um rio de lava vermelha que mergulha no horizonte, engolindo cores, espaços e tempos.Vermelhas as nuvens e escuras as árvores, são o contra luz com riscos negros de sombras esbatidas. A melancolia do pôr-do-sol que desce das alturas cobrindo o ar de silêncios, transformou-se em energia possante para o dia que há-de nascer.Neste Outono solarengo a luz vermelha desmaiada do fim do dia recorta contra o céu pálido de azuis as árvores vivas do Parque. Ao longe, nos campos ainda castanhos, só espaças ervas salpicadas de verde ondulam em silêncio. E as sombras já despertas gargalham por mim a dentro como esperanças translúcidas a animar a passarada que se acolhe ao abrigo das árvores.

2 comentários:

carla disse...

Amigo Efeneto,sempre lindo o que escreves. voltei ao meu blog aguardo a tua visita bjo e bom carnaval

carla granja

carla disse...

Passando para te desejar uma óptima semana ,beijo

Carla Granja

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

Seguidores

Creative Commons License Esta obraestá licenciada sob uma Licença Creative Commons.