Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä

Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
Visto-me com as cores do arco-íris, e desenho-te um beijo no poema.

Eu sentado
sozinho,
espécie quase única,
naquele areal dourado
batido pelo sol
deste Novembro de S.Martinho;

eu pensando em mim,
eu com o mundo inteiro,
eu e as memórias,
eu e a vida,
por ali fiquei sem relógio
até a sede me vencer.

Superei-me,
fui mais além
e segui por dentro de mim
mais experiente e sabedor,
com outros anseios
e mais vontade
para amanhã.

3 comentários:

GarçaReal disse...

Os anseios do àmanhã são a realidade de hoje.
O ontem é passado. O hoje é sobrevivência.
Olha o futuro...Vês a luz?

Agora sim..........Voltou o teu grito.

O grito do poeta..........

O poeta que sobe a escalada....

Gostei....

Bjgrande do Lago como sempre

Maria Clarinda disse...

Como sempre lindo o teu poema. Jinhos de carinho

GMV disse...

A vontade do amanhã é sempre uma boa experiência.

Beijos meus e bom fim-de-semana, querido Poeta

Seguidores

Creative Commons License Esta obraestá licenciada sob uma Licença Creative Commons.