Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä

Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
Visto-me com as cores do arco-íris, e desenho-te um beijo no poema.

Triste de assim viver

Tantas folhas e não há planta
As folhas que caem, sobre o alcatrão
E novamente o vento, as alevanta
Assim geme o meu coração...

...esta é a estação, onde tudo cai
A força, cai com o vento
A saudade não se mexe, não se vai...
Quer ficar para perturbar, o meu pensamento.

efeneto*


3 comentários:

my_feelings disse...

Boa noite amigo ( se me permite ),
Antes demais queria-lhe agradecer as palavras carinhosas deixadas no meu blog. Dizer-lhe tb que aqui sinto-me em casa, cada palavra sentida. Fico mesmo sem saber o que escrever. Falta-me as palavras.
Desejo-lhe tudo de bom e pode crer que serei visita diaria do seu blog.
Beijinhos e até breve.

Eärwen Tulcakelumë disse...

Sabe meu Amigo, fico aqui lendo e vejo como tens coisas bonitas para nos brindar. É tão bom ler o que você escreve. E com que maestria!

Deixo como sempre uma pérola incandescete de pura inspiração.

Eärwen

manuela disse...

Metáforas sofredoras...a saudade há de partir...ficará a renovação da planta de folhas caídas...beijo.

Seguidores

Creative Commons License Esta obraestá licenciada sob uma Licença Creative Commons.