Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä

Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
Visto-me com as cores do arco-íris, e desenho-te um beijo no poema.

O grito de um poeta...


Vou-me ficar de braços estendidos
com as palmas abertas para o céu
e na ponta dos dedos os pedidos
que so murmuro a Deus.

Vou-me ficar bem alto, em linha recta
seguindo um rumo para além de mim...
indo na veloz calma de uma seta
que não chegou ao fim.

Mesmo na tarde mornas de cansaço
e com os braços gastos de sofrer,
se Deus me ajudar, hei-de mostrar ao espaço
meus dedos a doer.

Eu sei, Senhor, que tu tens um poema
feito de estrelas, sol e voz do mar
e com as sete cores em diadema,
nas mãos, para mo dar.

Por isso eu ergo os braços levantados
e minhas mãos são ânsias macias
só de alcançar teus dedos, irisados
por toda a poesia.


efeneto

5 comentários:

manuela disse...

Sublime...o Todo...o título, a imagem, a apresentação poética...a vontade do poeta em se exprimir pelo poder das palavras,a dor de temer não o conseguir...Os dois primeiros versos: o pedido a deus do poeta para receber inspiração poética...o grito da libertação do sentimento, do pensamento, do sofrimento...porque ser poeta é assim.

Ardeth disse...

Meu amigo que seu grito seja ouvido não só por Deus, mas por todos nós meros mortais.

E assim transformar essas inspirações em formas de poesias tão belas quanto a sua em nossas vidas!

Parabéns ....

Um Momento... disse...

Ouvindo um grito
Sentindo a sua força
Imaginando o seu poder
Que seja ouvido ...por quem deve ser:)
Até já**

efeneto disse...

...este meu novo espaço vai se feito com a ajuda das vossas palavras...

=**Estrelademim**= disse...

amigo...o grito é este post?virei ler com mais calma e ver se consigo ver o que vez...um encaixe um no outro...beijinho doçe

Seguidores

Creative Commons License Esta obraestá licenciada sob uma Licença Creative Commons.